Programação

 
O Auto da Compadecida




O AUTO DA COMPADECIDA
texto: Ariano Suassuna | direção: Marino Jr
Teatro Lala – Sala 1

O Auto da Compadecida, clássico da dramaturgia brasileira, escrita originalmente em 1955 por Ariano Suassuna, ganha nova montagem da Cia Máscaras de Teatro com direção de Marino Jr. A montagem faz parte das comemorações de 20 anos do grupo curitibano e da parceria entre os atores e diretores João Luiz Fiani e Marino Jr.

A peça trata do julgamento de alguns canalhas entre os quais um bispo e um padre para o exercício da moralidade, nas palavras do próprio autor. Suassuna é hábil em representar nesta peça praticamente todos os grupos sociais de um país notório por suas contradições. O Auto da Compadecida não é apenas uma farsa divertida, mas um grande retrato crítico das relações hipócritas da sociedade.

Na história, dois personagens picarescos, João Grilo (Marino Jr) e Chicó (Lucas Cardoso), pobres coitados cuja vida é sobreviver em meio a mazelas e exploração dos seus patrões e fazer de tudo para garantir seu sustento. Para sorte de Chicó, João Grilo é um sujeito inteligente e possuidor de uma presença de espírito inigualável. E para a sorte de Grilo Chicó é um sertanejo ingênuo, mas confiante e sempre disposto a participar dos esquemas armados pelo amigo. Quando o Padeiro (Jader Alves) resolve contratar a dupla é a vez do Padre (Alisson Diniz) ser enganado e realizar o enterro em latim do cachorrinho de sua Mulher (Ingrid Bozza). Todavia as coisas complicam com a chegada do Bispo (Rogério Bozza) que vem para inspecionar a paróquia e descobre o incidente. Como em comédia nada termina bem antes do fim, aquilo que ninguém esperava acontece a invasão de Severino do Aracajú (João Luiz Fiani) e seu bando que acabará por revelar as verdadeiras personalidades daqueles que irão enfrentar o julgamento divino, acusados pelo Encourado, o diabo (Daniel Marcondes), julgados por Manuel, ou nosso senhor Jesus Cristo (Marcyo Luz) e defendidos por Nossa Senhora, a Compadecida (Kellyn Bethania).

A montagem segue a linha da encenação tradicional, todavia acrescendo referências da commedia dell´arte italiana,  gênero que o diretor Marino Jr conhece muito bem, desde que passou um período de um ano estudando com Antonio Fava um dos maiores especialistas no gênero com atuação internacional entre Estados Unidos, China, Japão, Austrália e Europa. “Não se trata de uma montagem de commedia dell´arte, visto que há o texto a ser seguindo, e isto não ocorre na comedia italiana que utilizava os canovacci (espécie de roteiro cômico improvisado), porém uma das maiores ligações do texto de Suassuna com os herdeiros da comédia italiana como Molière, Goldoni e Martins Penna, é justamente esta poética da sobrevivência destes personagens miseráveis. A ingenuidade em se acreditar que os delitos por eles praticados podem ser absolvidos desde que o motivo seja a própria situação de miserabilidade social de ambos.” afirma Marino, que além de dirigir a montagem atua no papel principal ao lado de Lucas Cardoso escolhido a dedo pelo diretor para atuar como o parceiro Chicó. “O Lucas tem uma expressão corporal natural que somada à forte máscara cômica de seu rosto cria, e ao mesmo tempo impõe, uma empatia imediata com o público. Toda comédia clássica como esta necessita desta conexão.” finaliza Marino.

A peça traz no elenco quase todos os principais atores que atuam no Teatro Lala Schneider, com destaque para o próprio João Luiz Fiani no papel de Severino do Aracajú, Rogério Bozza como o Bispo, Jader Alves como Padeiro e Marcyo Luz como Cristo. Completam o elenco: Alisson Diniz no papel do Padre, Ingrid Bozza como Mulher do Padeiro, Daniel Marcondes como Diabo e Kellyn Bethania no papel título. Luiz Henrique Fernandes conduz a peça no papel do Palahaço. Quando fez sua pré-estreia no Festival de Teatro deste ano o espetáculo foi visto por 17 membros da família Suassuna, entre primos, sobrinhos e sobrinhos-netos, que de passagem pelo festival aprovaram a montagem.

A montagem abre também as comemorações dos 20 de parceria entre os atores e diretores Marino Jr e João Luiz Fiani. Para tanto está prevista no dia da estreia a inauguração do busto em homenagem à Lala Schneider no foyer do teatro obra dos artistas plásticos argentinos Alfi Vivern e Maria Inés Di Bella que se trata de um réplica do busto da Pça Santos Andrade inaugurado em 2012.

Durante o ano ainda estão previstas outras realizações do grupo. Em julho acontece a montagem musical “Maria Bueno, controversa mulher”, em setembro pela primeira vez o grupo levará seu projeto de Dalton Trevisan ao Teatro Novelas Curitibanas, com o espetáculo “Novelas Nada Exemplares do Vampiro de Curitiba” em outubro duas comemorações importantes: os 20 anos de estreia da Casa do Terror e os 15 anos de Nem Freud Explica.

Enquanto tudo isso não acontece o grupo segue com vários espetáculos em cartaz entre eles “O Auto da Compadecida”, que estreia na sexta, dia 17 de abril e fica em cartaz até dia 31 de maio, sempre às sextas e sábados às 21h e domingos às 19h no Teatro Lala Schneider. Os ingressos custam R$ 40,00 e R$ 20,00.

O AUTO DA COMPADECIDA
Sobre a peça: a trama conta a saga de João Grilo e Chicó, dois personagens pitorescos e simples que representam o povo nordestino, apegado a Deus e que teme o Diabo. Por que ver: a peça resgata o humor de Suassuna adicionando novas referências cômicas. Um clássico revisitado e com elenco de ponta, como Rogério Bozza e João Luiz Fiani. Preste atenção: na técnica de commedia dell´arte utilizada no espetáculo pelo diretor e ator Marino Jr. Especialista no gênero!

Texto: Ariano Suassuna
Direção Marino Jr.
Elenco:  Com: Marino Jr, Lucas Cardoso, João Luiz Fiani, Luiz Henrique Fernandes, Alisson Diniz, Rogerio Bozza, Ingrid Bozza, Jader Alves, Kellyn Bethania Daniel Marcondes e Marcyo Luz.
Cenografia: Leopoldo Baldessar
Figurinos: 
Marcelo Salles
Iluminação: João Luiz Fiani
Sonoplastia 
Jader Alves.
Adereços: 
Marcelo Salles
Direção de Produção: Thamis Barreto
Assistência de Produção: Thati Moraes

SERVIÇO

Estreia: 17 de abril de 2015
Temporada: até de 31 de maio de 2015
Horários: sextas e sábados 21h | domingos 19h
Ingressos na bilheteria: R$40 (inteira) e R$20 (meia)
Duração: 80 minutos
Classificação indicativa: 12 anos

Rua Treze de Maio, 629
41-3232-4499
Domingo a sexta a partir das 14hs
Sábados a partir das 10hs
(c) 2017 Teatro Lala Schneider.